blog psicóloga vila mariana

Setembro Amarelo: o que você precisa saber sobre prevenção do suicídio

Campanha Setembro Amarelo, mês especialmente dedicado a prevenção do suicídio.
Setembro amarelo: é tempo de falar sobre o suicídio


O movimento Setembro Amarelo acontece no Brasil desde 2015.

Seu objetivo?

Chamar a atenção para um assunto de proporções gigantescas: a prevenção ao suicídio.

Como o assunto é um grande tabu, é comum que não tenhamos noção de sua expressividade.

Mas, para você ter uma ideia, segundo dados da OMS (Organização Mundial da Saúde), o suicídio é responsável por mais de 800.000 vidas perdidas todo ano.

Os números são ainda mais impressionantes quando consideramos estimativas do CDC (Centro de Controle e Prevenção de Doenças).

De acordo com o CDC, há um óbito para cada 25 tentativas de suicídio.

Ou seja, o cenário, que já é terrível, poderia ser significativamente pior.


Saiba mais: Depressão na terceira idade: saiba como ajudar


A campanha Setembro Amarelo visa romper o silêncio sobre o suicídio, a segunda principal causa de morte entre jovens de 15 e 29 anos.

Exatamente. As mortes ocasionadas por suicídio, nessa faixa etária, só ficam atrás das estatísticas relacionadas a acidentes de trânsito.

Porém, mais do que alertar para essa assustadora realidade, o Setembro Amarelo pretende nos deixar conscientes de um fato importante:


Mais de 90% dos casos de suicídio podem ser evitados.

Como?

Com um diálogo aberto sobre saúde mental.

Isso fica claro quando entendemos que a depressão é a grande responsável por tantas perdas e a prevenção ao suicídio é a chave.

Na imensa maioria dos casos, as pessoas que veem a morte como única saída para acabar com a dor estão sofrendo com a condição.

Porém, sabemos que o transtorno de depressão — assim como outros tantos transtornos mentais — tem tratamento.


O problema é que nossa cultura ainda vê as doenças mentais com muitos preconceitos e dificulta na prevenção ao suicídio.

Por não serem visíveis, como uma fratura nos ossos, infelizmente, é comum que sejam rotuladas como “bobagens”. Dramas. Coisas que só existem na cabeça de quem está atormentado.

É verdade. O problema está na “cabeça”. Ou, melhor dizendo, no funcionamento do cérebro.

Ora, e desde quando o cérebro é menos importante que outras partes do corpo?

Desde quando podemos viver bem se o principal órgão de nosso sistema nervoso (do qual dependem nossas ações voluntárias e involuntárias) está em desequilíbrio?


Então, chegamos aqui ao primeiro aprendizado que o Setembro Amarelo nos traz, referente ao suicídio:

Enquanto tratarmos problemas de saúde mental como “frescura”, continuaremos lidando com altas taxas de suicídio.


O que você pode fazer para mudar esse quadro?

Para começar, prometa a si mesmo cuidar de sua saúde mental.

Já reparou que as campanhas de prevenção sempre começam com o autocuidado?

Então, no que diz respeito ao Setembro Amarelo, a regra também se aplica!

Ansiedade, tristeza, cansaço, irritabilidade… Todos esses sentimentos incômodos são normais. É óbvio que, vez ou outra, vamos experimentá-los.

Mas há um limite para essa normalidade.

Quando as emoções negativas se tornam tão comuns que parecem definir boa parte do dia a dia, há um sinal de alerta.

Isso vale para você, da mesma forma que vale para toda a humanidade. Independente de idade, condição financeira, profissão, gênero…

Portanto, se existe algum mal-estar o perturbando, não seja negligente.


Estamos no Setembro Amarelo, procure ajuda de um profissional.

Atendimento profissional aos casos de suspeita de suicídio
Todo caso de suspeita de suicídio deve ser tratado por um profissional.


Assim como você não está disposto a conviver com uma dor de dente, não deve se conformar com uma dor psicológica.

Há tratamento para os dois casos!


Seja no Setembro amarelo ou em qualquer mês, conversar com um amigo ou familiar sobre o suicídio, também pode ser útil.

Mas lembre-se que, se a pessoa não for um terapeuta ou psiquiatra, ela tem limites quanto ao que pode fazer por você.

É essencial que você tenha isso em mente também nos casos em que você é a pessoa escolhida para ouvir desabafos.

Ou seja, se alguém confia em você para falar sobre pensamentos suicidas, não tente resolver a situação sozinho.

Seu papel é ouvir, sem fazer julgamentos e críticas.

É permitir que a própria pessoa se escute e se sinta compreendida.


Mostre que você se preocupa e entende que a dor é real, é legítima.

Acredite, esse ato de empatia faz imensa diferença!

Mas é apenas o início do percurso.

Se você quer ajudar nos próximos passos, ofereça apoio e companhia na busca pelo profissional de saúde habilitado.

Esse incentivo será o melhor — e mais respeitoso — conselho que você poderá oferecer.


Leia também: Como lidar com a rejeição


Você quer dar força ao movimento Setembro Amarelo e a prevenção ao suicídio?

Mês especial de prevenção ao suicídio, Setembro Amarelo
Setembro Amarelo: Participe dessa campanha!


Então compartilhe informações confiáveis sobre a campanha em suas redes sociais.

Divulgue bons artigos e vídeos sobre saúde mental em seus grupos de WhatsApp.

Permita que tais assuntos façam parte de suas conversas cotidianas.

Não se preocupe: ao contrário do que muitos acreditam, falar sobre suicídio não estimula uma pessoa ao ato.

O que verdadeiramente leva tantas pessoas a tirarem a própria vida é o silêncio.

É a solidão e incompreensão quanto às batalhas internas que enfrentam.

Por último, nunca é demais enfatizar: a campanha Setembro Amarelo dura um mês.

Mas o que ela representa, não está restrito a uma data.

Conscientização e prevenção do suicídio são pautas que não podem adormecer.

Portanto, seja em setembro ou qualquer época do ano, esteja presente.


Não basta dizer “você não está sozinho”.
É preciso mostrar essa verdade com atos.

Então, assuma o compromisso de cuidar das vidas com as quais se importa.

A começar com a sua própria.


psicologa-vila-mariana-Luana-Nodari







Luana Nodari é Psicóloga e Neuropsicóloga
Atende em sua clínica na Vila Mariana / SP, adolescentes e adultos,
através da Terapia Cognitivo-Comportamental
CRP: 06/112356

Deixe uma resposta

Contato

Luana Nodari
Psicóloga/Neuropsicóloga
CRP: 06/112356

Localização

Rua Domingos de Morais, 2781 - cj 311
Vila Mariana, São Paulo, SP
CEP: 04035-001

Redes Sociais

Ao lado da estação do Metrô Santa Cruz

Estacionamento no local